9 de agosto de 2006

O sagrado segredo dos vencedores

Para fazermos parte da sociedade atual e alcançar o status social, desde pequenos somos estimulados a disputar um lugar especial no universo. Basta ligar a televisão para constatarmos esse fato e na ótica dessa publicidade, sinônimo de sucesso profissional e pessoal é ser um consumista insaciável, ter muita grana e poder, dirigir carrões importados, malhar na melhores academias, vestir roupas da moda, usar os melhores perfumes e manter relações afetivas com as pessoas mais bonitas.
A vida hoje é tão competitiva que descobri esses dias numa palestra de um banco sobre expectativas econômicas que até dinheiro bom estressa. O consultor citou que o dólar, no auge do seu “stress”... Então pensei comigo mesmo que até dinheiro entra em depressão.
Somos predestinados a trabalhar como mouros para “chegarmos lá”, onde quer que este lugar esteja. Não entra sequer nesta discussão se seremos felizes ou não com isso.
Não vejo nada contra buscar o sucesso, galgar o Olimpo do topo e pelo contrário, vejo isso como algo saudável, a busca pelo melhor. Mas a pergunta que se faz é: Vou ser feliz quando chegar lá?
O segredo dos vencedores é a paixão. Conquistar um lugar ao sol é apenas conseqüência dessa paixão.
Para fazer as escolhas certas você precisa entrar em contato com a sua alma e é nesta solidão pessoal que você encontrara as respostas para a sua vida.
No início do século passado por ocasião da Guerra da Coréia a frota russa viajou quase um ano para guerrear com o Japão e perderam a guerra num dia de batalha. O vaidoso Czar Nicolau II queria a vitória a qualquer custo para desviar a atenção de suas dificuldades econômicas domésticas.
Assim também é quem busca desesperadamente o sucesso esquecendo-se que a vida não é uma emergência e sim uma maratona, ou seja, a vida não é uma coincidência e sim uma conseqüência.
Ser feliz não é conseqüência de ter sucesso assim como ter sucesso não é garantia de ser feliz. Este é o sagrado segredo dos vencedores.


Um comentário :

Pathy disse...

- Kafé Roceiro (http://kaferoceiro.blogspot.com) disse...
Faz sentido. Relaxados vamos ao espaço e voltamos. Isso é bom!
11/08/2006