29 de agosto de 2007


28 de agosto de 2007

vai entender...

Uns dias atrás, 2 amigas e eu estávamos conversando sobre relacionamentos.
Uma delas terminou há pouco tempo um namoro, e ele, apesar de ter terminado, fica convidando ela pra sair, pra serem "amigos", e papo vai, papo vem, acabamos comentando que é estranho como os homens gostam mais das mulheres duronas, que "pisam", que judiam mesmo... (claro que nem todo mundo é assim, que não podemos generalizar, blá, blá, blá... essa ladainha toda que não é importante agora) e uma delas fez um comentário, não me lembro bem as palavras, mas que de repente fez todo sentido pra mim!
Ela disse algo parecido com isso:
- "não é que eles preferem as duronas, ou as mandonas, as que brigam e controlam, mas eles não sabem, não têm a menor idéia de como lidar com as submissas, e é por isso que as boazinhas só se ferram".
Na hora não compreendi muito bem o significado dessas palavras, mas depois, em casa já, a ficha caiu!! E o que ela disse, de fato, me parece uma grande verdade, e faz todo sentido! Afinal, somos nós, mulheres, mãe, que criamos nossos filhos, homens!!
Nós, que vivemos neste mundo de igualdade social e direitos iguais, e que brigamos cada vez mais por nossa liberdade e independência, não podemos esperar nunca que nossos filhos, e homens, saibam como lidar com mulheres boazinhas, amorosas, legais e delicadas;
não podemos esperar nunca que eles saibam lidar com a ambiguidade que é a alma feminina, que sabe a dose certa entre o poder e o amor, entre a raiva e o perdão, entre o tapa e o carinho...
Mas essa é a minha versão desse assunto. Qual será a versão deles, hein?!


10 de agosto de 2007

Mudanças

Hoje fui almoçar com uma colega de trabalho e claro, conversamos sobre comida!! Ela é vegetariana, e eu, super seletiva. Ou pelo menos, eu costumava ser.
Falando do que gostamos ou do que não gostamos, percebemos o quanto mudamos.
Ela não gostava de várias verduras e legumes, e hoje adora a maioria deles!!
Eu não comia várias coisas nem que me pagassem, e hoje, mesmo não sendo meus pratos preferidos, eu como, sem muito drama.
Nossa, me lembro bem – cebola sempre foi o drama da minha vida. Eu odiava cebola, não comia nada que tivesse cebola, não comia cebola de jeito nenhum, ficava caçando até mesmo aqueles pedacinhos minúsculos que tem no arroz!, e odiava que os outros comessem também. Vê se pode uma coisa dessas?!
Éhh… mas era assim mesmo, eu brigava com quem comia cebola!!
Hoje, não ligo mais. Ainda não gosto de cebola, e não como os pedaços grandes, mas não fico mais procurando os pedacinhos no arroz, não fico brava que outras pessoas comam cebola, não brigo por causa disso, não ligo mais. Ainda bem, né!?!
Será que mudamos tanto ao longo dos anos que até nosso paladar muda?
Ou será que ficamos mais tolerantes?


9 de agosto de 2007

Estrangeirismo

Autor: Carlos Silva


Carlos Silva

Carlos Silva, paulistano criado no interior da Bahia, entre as cidades de Nova Soure e também em Itamira, Municipio de Aporá-Ba, é compositor, cantador e poeta cordelista.
A cultura brasileira é tema de todos os trabalhos do artista e faz uma releitura do Brasil atual através dos seus cordeis.
Gravou dois cds de forma independente: ABRA OS OLHOS E RETRATANDO e já prepara o proximo trabalho, com xotes, causos,forrós e muito cordel.
Como poeta, Carlos Silva disponibiliza os seus textos, poemas e cordeis no site
Recanto das Letras.

Blog: Blog de Carlos Silva
Fonte: Bandas de Garagem


7 de agosto de 2007

6 de agosto de 2007

Reciclagem

Eu faço parte de um grupo de discussão do yahoo, e o assunto dessa semana é Reciclagem. Quem acredita no que, o que pode ser feito, o que deve ser feito, o que funciona e o que não funciona, tudo isso foi falado... E esta é a minha opinião sobre o assunto:

Acho que tudo é válido: emails, passeatas, exposições,reclamações, etc.
Mas pensando bem, todo esse problema do lixo, e tudo que envolve reciclagem está mais do que claro pra todos nós.

A mídia fala disso todos os dias, os jornais, as escolas, os produtos à venda, os produtores, os consumidores... Esse não é um tema pouco divulgado ou esclarecido, pelo contrário, é tão divulgado que já está ficando batido, está virando assunto comum. O que é uma tragédia, na minha opinião.

Mas mais trágico ainda é ver a que ponto chegamos, sem que façamos algo, eu sei.

No entanto, se antes nós precisávamos de explicações claras e precisas sobre o assunto, e de instrução sobre como e quando, hoje nós temos tudo em nossas mãos e vejo que, na verdade, o que falta mesmo é cada um fazer a sua parte, e não ficar esperando por uma solução coletiva, ou governamental, ou administrativa somente.

Vejo que hoje vivemos um ciclo vicioso: a gente não faz porque o governo não faz, o governo não faz porque a gente não faz... O governo não liga porque a gente não liga, a gente não liga porque o governo não liga... da forma que eu vejo, isso é um pouco cômodo... E eu não tô fora, eu sou tão acomodada quanto qualquer outro, mas ainda assim acredito mesmo que nem tudo é culpa do governo, nem tudo é só o governo que pode resolver... E eu sei que se eu puder fazer a minha parte, se eu puder ensinar a alguem a fazer a parte dele, e se cada um acreditar mesmo nisso, quando a gente perceber, todos estarão fazendo um bem comum.

Ou será que isso é mesmo uma grande utopia? e não passa de ilusão?!


4 de agosto de 2007

Esperteza

"Pássaro agarra uma nota de dinheiro que foi doada ao zoológico de Bancoc para melhorar as condições de tratamento dos animais".

Fonte: Álbum do Dia, 30/07/2007
www.uol.com.br


2 de agosto de 2007

Campanha de Vacinação Cães e Gatos

Campanha de Vacinação Contra Raiva em Cães e Gatos
De 06 a 19 de Agosto de 2007
A vacinação é gratuita!!

Vacine seu cão ou gato em um dos 1.770 postos distribuídos pela cidade.
Para a realização da Campanha de Vacinação Contra a Raiva em Cães e Gatos, que acontece de 06 a 19 de agosto, 1.770 postos estarão disponibilizados em todas as regiões da cidade.
A Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA, órgão da Secretaria Municipal da Saúde, realizará a campanha por meio do seu Centro de Controle de Zoonoses.
A vacinação é gratuita e a meta, neste ano, é imunizar mais de 1 milhão de animais.

Informações/Denuncias/Reclamações
SAC: 156 ou 3350-6624/3350-6628

Maiores Informações: Site Cidade de São Paulo