31 de dezembro de 2007

O tempo de cada um

Fim de ano é uma época engraçada. Uma alegria compulsória paira no ar: a gente fica feliz porque vai ter uns dias de descanso, porque começa o verão, porque vai curtir a família e os amigos. E um otimismo insistente nos invade diante da perspectiva de começar outro ano, partir do zero rumo a novas metas, novos desafios.
Por outro lado, essa quase-obrigação de estar contente pode ser irritante. Afinal, nem todo mundo está completando um ciclo glorioso a cada mês de dezembro - a gente não é empresa, não tem ano fiscal e não precisa fazer balanço anual. Nossos ciclos têm outro tempo, outro ritmo.
Avaliar resultados também é um procedimento traiçoeiro para nós, pessoas físicas. O que parece sucesso hoje pode se revelar meio desastroso amanhã, com certo distanciamento histórico. E vice-versa: o que doeu como um fracasso monumental daqui a alguns meses ou anos pode ser festejado como a semente de uma grande guinada.
Portanto, na virada do ano, vamos lembrar as coisas que fizemos, não as que ficaram por completar. Vamos celebrar o momento, a companhia, o futuro pleno de oportunidades e surpresas. O vazio a ser preenchido por qualquer coisa que a gente queira.
Que venha 2008!!


26 de dezembro de 2007

Natal

Não tive chance de escrever nada no natal, nem de postar nada aqui, nem de mandar email pra ninguém, nem de responder os recadinhos do orkut. "Sou um relaxo total" vcs devem estar pensando... mas não é nada disso, eu não tive mesmo tempo pra isso. Estou trabalhando mais do que gostaria, fechamento de mês, fechamento de ano... tenho hora pra entrar, mas não pra sair, então... já viu... Ainda assim, me desculpem todos, por não terem recebido nenhuma mensagem minha sequer...
E antes tarde do que nunca - FELIZ NATAL!!!!
=)


19 de dezembro de 2007

Outros Valores

Houve um tempo em que as mulheres gordas eram referência aos padrões de beleza, significavam fartura, saúde, fertilidade. É só passear por um museu qualquer para confirmar isso.
O tempo passou, e há muito que as "mamas" perderam seu status, deixaram de ter qualquer significado e passaram a ter nenhum valor.
Ao contrário, hoje elas são mal-tratadas, são rejeitadas, discriminadas, mesmo que indiretamente.
Claro que o valor de cada indivíduo não pode e não deve nunca ser dito/medido pelo outro ou pela sociedade, e sim por cada um somente. Mas que o mundo trata melhor as magras, ah! isso trata!!
E isso me revolta!!!


17 de dezembro de 2007

Best Blogs Brazil

Bom, eu tô beeemmm atrasada, mas a intenção é boa...
O Best Blogs Brazil começou no dia 11/09/2007, e as votações foram encerradas em 10/12/2007.
Foram 6.137 pessoas cadastradas, que geraram 19.378 votos. E o resultado final foi divulgado no dia 13/12, no Mundo Tecno.


16 de dezembro de 2007

Eu BlogBlogs, e você?

Meu blog já é cadastrado no Technorati, e agora acabei de me cadastrar no BlogBlogs.
Pra quem não conhece, o BlogBlogs é um diretório de blogs, uma comunidade de blogueiros e leitores de blogs... mas isso é só um resumo. o BlogBlogs é bem mais que isso!!
Leia a matéria completa Eu BlogBlogs, e você?


14 de dezembro de 2007

E agora José?

Eu recebi isso por email, e resolvi dividir com vcs...

UMA MARCA QUE VALE
A história é mais ou menos a seguinte:
Há mais de 10 anos a Vitelli produz mais do que calçados; produz beleza, conforto, durabilidade e moda.
Imagino o Zé, operador de Corel de uma gráfica que tem 80% do seu faturamento com cartões de Natal e calendários criando o símbolo da Vitelli Calçados: Irresistível.

Todos riram. Reduziram o árduo trabalho de Zé a "uma droga de uma casca de sorvete!".

Algum tempo depois, eis que John McMeneman Silver Rich, Lui Anderson, Jack Black Label, junto com mais 5 escritórios de design e criação gráfica de renome internacional, que só não criaram o layout do mundo porque Deus foi mais exigente... fizeram isso:

E agora José?


11 de dezembro de 2007

Ninguém Merece!

Inclusão social requer um certo nível de malandragem, um tanto de bom senso e ética, algumas artimanhas e pouco sentimentalismo, afinal, não vamos mesmo fazer parte de todos os grupos e atividades sociais sempre, e vez em quando vamos ser rejeitados tanto quanto rejeitamos.
E nós sabemos muito bem as dificuldades e os obstáculos que temos que enfrentar pra nos sentirmos socialmente inclusos, e o quanto isso nos afeta pessoal e emocionalmente.

Mas inclusão familiar, definitivamente, é o supra-sumo da nossa vida! Exige de nós tudo e mais um pouco!
Temos ser fortes e pacientes, claros e objetivos, resistentes e maleáveis, sinceros e verdadeiros, honestos, amáveis, íntegros, dóceis, preocupados, interessados e dispostos a fazer dar certo. E quem chega lá, com certeza, é graduado, mestre, PhD em relações nacionais e internacionais, psicologia, direito, direitos humanos e diplomacia.
E haja força, determinação, auto-confiança, discernimento, coragem e disposição, 24 horas por dia, 7 dias por semana e os 365 dias por ano, todos os anos, por toda a vida!!
Ainda assim, só pode dar certo, se todos se comprometerem em fazer o mesmo!! caso contrário... lá se vai todo o esforço por água abaixo...


10 de dezembro de 2007

Laços

Eu vi esse post no blog da minha amiga - Frente e Verso - e amei!! Gostei tanto que não resisti - "roubei" o post dela pra dividir com vcs! Tenham 6 minutinhos de paciência pra assistir ao vídeo - tenho certeza que vcs vão adorar também!!!
O curta-metragem "Laços (Ties)", dirigido por Flávia Lacerda, foi o grande vencedor do concurso Project:Direct, promovido pelo YouTube em parceria com a HP e o estúdio Fox Searchlight. O vídeo era o único brasileiro entre os 20 finalistas."Laços" se destacou pela eloqüência da simples e emocionante história embalada pela música "Australia", composta e cantada por Clarice, que é filha da diretora e também protagoniza o vídeo ao lado do amigo Célio. Flávia Lacerda receberá um prêmio de US$ 5 mil e seu curta será exibido em um festival de cinema no exterior.


9 de dezembro de 2007

Fazendo a diferença...

Hoje eu estava subindo a rua de casa rumo ao metrô e um homem maltrapilho estava tentando vestir uma camisa toda rasgada enquanto atravessava a rua.
Um senhor de carro, que estava passando pelo cruzamento, viu o andarilho, diminuiu um pouco a velocidade e perguntou se ele queria alguma roupa.

O andarilho disse que sim, então o senhor parou na esquina, desceu do carro, abriu o porta malas e escolheu, de dentro de uma mala e sacolas, uma camisa, uma calça, um par de sapatos, e ofereceu ao andarilho, que aceitou, agradecendo.
Doar, o que quer que seja, na minha opinião, é um ato grandioso, pois apesar de não custar nada, muitas pessoas se recusam a fazê-lo, por N motivos que não interessam agora, mas aquele senhor não estava doando roupas velhas ou que não serviam mais, ele tirou pertences que estavam em excelente estado, e escolheu no meio das coisas dele, um sapato que pudesse servir para aquele andarilho. Isso é doar de verdade!!

Isso é digno de um post, pensei, e pena eu não ter uma máquina na hora pra fotografar aquele momento, de alguém fazendo a diferença, provando que ainda existem pessoas boas neste mundo!!


5 de dezembro de 2007

Um outro país...

Passeando pelos blogs da minha lista, dei de cara com um post que fala de férias em outro país, e que tudo é muito legal lá fora, que é tudo muito melhor, e talz... e o post tem uns 40 comentários, desde "concordo", "descordo", "é hipocrisia", até análises mais profundas sobre detalhes do post em si. E isso me animou a escrever...

Morar fora tem muitas vantagens, e tem muitas desvantagens também, assim como morar aqui nesse nosso país. Seria mesmo muita hipocrisia dizer que é tudo maravilhoso lá fora, que tudo é bom, que tudo é muito melhor do que aqui, pois isso não é verdade.
Lá fora também tem preconceito, tem discriminação, tem corrupção, tem mal tempo, tem comida ruim, tem pessoas ruins... E também seria hipocrisia julgar o outro a partir de nós mesmos, pois cada um se identifica melhor com uma ou outra situação.

Eu morei em Londres por 2 anos. Me diverti muito, trabalhei muito, viajei muito mas chorei também, senti saudade também, amadureci minhas críticas e elogios ao Brasil, e também aprendi a criticar Londres, embora tenha sido pra mim uma segunda casa, e eu tenha me apaixonado.
Nesses 2 anos eu pude perceber o quanto podemos ser melhores todos os dias, e que o ideal seria juntar cada detalhe de cada país numa cultura só, pra ter um mundo melhor.
Por exemplo, os alemães não desperdiçam nada; os poloneses são extremamente objetivos, profissionalmente falando; os ingleses são egoístas o suficiente para não se prejudicarem; os portugueses são prestativos tanto quanto recebem em troca; os franceses são extremamente "regionalistas" priorizando o país deles; os americanos são patriotas e solidários entre si, e por aí vai.... Se houvesse uma chance de unirmos todas essas qualidades numa só cultura, aí sim, talvez, e só talvez, pois o homem ainda não é bom, teríamos um mundo melhor...
Enquanto isso não acontece, penso que devemos aproveitar ao máximo os exemplos e nos esforçar em replicar aquilo que for bom - não desperdiçar, não fazer corpo mole, ser claro e objetivo sempre que puder, cuidar do próximo, cuidar de si mesmo...

Do resto, viajar é maravilhoso, e se estivermos abertos e dispostos a novas experiências, é muito provável que nos encantemos com muitos detalhes de qualquer canto deste nosso país ou do mundo!!


3 de dezembro de 2007

... eis a questão...