14 de abril de 2009

Pena de Morte

Ontem, no trabalho, nós estávamos conversando sobre alguma coisa que já nem me lembro, e acabamos falando sobre esse assunto, se nós deveríamos ou não ter pena de morte no Brasil. E o assunto até que rendeu.

Uns acham que isso seria um erro, e que muita gente inocente acabaria morrendo por nada, principalmente por tantos erros cometidos pela justiça, e outros acham que talvez essa seria uma forma de diminuir a violência que enfrentamos no dia-a-dia.

Eu não sei. Eu fiquei em dúvida...

Meu lado “revolts” é muito a favor da pena de morte, e acredita que essa seria uma boa forma de “por ordem na casa” – senão por bem, através da educação, que seja pelo medo. Meu eu “revolts” com certeza diria: põe todo mundo num paredão e fuzila!!

Por outro lado, do jeito que nossa justiça é cega, seria bem provável que morressem mais meninos de rua que roubam laranja na feira do que trastes imprestáveis e sem recuperação. E é só olhar pro nosso governo pra ver tanta impunidade e o quão cega a nossa justiça é... Afinal, eles roubam um país inteiro, e continuam no poder.

Eu, nem de longe, teria uma solução pra esse problema social, político e econômico que assola nosso país e nos oferece muito pouco retorno em termos de justiça, mas acredito que seria necessária uma reforma geral, de pessoas, de comportamento e de valores.

Fico me perguntado o que fizeram com as aulas de educação moral e cívica que eu tinha na escola, as aulas que, se não moldaram meu caráter, com certeza tiveram sua parte nessa tarefa, que me mostraram o que é certo e errado, o que é justo e injusto, que me disseram que é preciso respeitar pra ser respeitado, que é preciso ser um tanto patriota pra se ter, de fato, uma pátria-casa?

E olhando a minha volta e vendo tanta corrupção e impunidade, me pergunto onde a justiça foi parar? E como ela pôde se corromper? Justo ela, que deveria ser imparcial em todos os momentos, e deveria servir a todos igualmente...

Será que a culpa é minha? Será que a culpa é nossa? Eu não me lembro de ter feito nada que pudesse mudar tudo isso. Mas também não me lembro de ter me deixado levar pelo “jeitinho brasileiro” que tira proveito de tudo e de todos. Não dizem que pra mudar o mundo nós temos que mudar a nós mesmos? E começar pelo nosso mundo? Se isso for verdade, então estou fazendo a minha parte; e se não for, então me sinto de mãos atadas, sem força ou poder pra fazer coisa alguma, e mais revoltada ainda por saber que quem tem essa força e poder não faz nada...

E aí, diante disso tudo, tantas perguntas sem respostas, tantas ações sem reações, tanta falta do que fazer, acabo quase convencida de que meu lado revolts é que tem razão: põe todo mundo num paredão e fuzila!!


4 comentários :

Geraldo disse...

Uma vez um repórter perguntou a um daqueles carrascos que trabalham no corredor da morte naquelas prisões nos Estados Unidos, o que ele achava da pena de morte. O repórter queria saber se ele achava se adiantava alguma coisa.

A resposta dele nunca me saiu da cabeça. Ele respondeu:

-- Não sei dizer se funciona ou não mas uma coisa eu sei com certeza: Aquele que passa por aqui NUNCA MAIS VOLTA A COMETER NENHUM TIPO DE CRIME.

Foi a melhor resposta que já vi até hoje.

Janaina disse...

Assunto polêmico né?
Confesso que não tenho opinião formada sobre isso não... se bem q tem hora que dá vontade é de torturar mesmo. Fazer sofrer bem. Né?

DE TUDO UM POUCO disse...

"Fico me perguntado o que fizeram com as aulas de educação moral e cívica que eu tinha na escola, as aulas que, se não moldaram meu caráter, com certeza tiveram sua parte nessa tarefa, que me mostraram o que é certo e errado, o que é justo e injusto, que me disseram que é preciso respeitar pra ser respeitado, que é preciso ser um tanto patriota pra se ter, de fato, uma pátria-casa?"

Achei interessante essa sua colocação!Eu sou formada em Letras e onde eu estudei,na UERJ,tem um pessoal que diz que Moral e Cívica era uma máquina da Ditadura.Não concordo nem um pouco com isso!Acho que tinha que voltar essa disciplina!!!

Quanto à pena de morte,sou à favor,quando o reú é confesso e quando tem provas totalmente evidentes de assassinato,somente assassinato!Se a pessoa tira a vida de outra,tem que pagar com a própria vida dela!!!


Ah,tem texto novo no meu blog!Beijos!

DE TUDO UM POUCO disse...

Oi!!!Obrigada pela atenção!Se quiser,me add no MSN ou Skype!Beijos!