17 de junho de 2010

Uma teoria sobre os ciclos da vida...


Eu tenho uma teoria... pode até ser meio sem-noção, e provas que é bom, não tenho nenhuma!, mas talvez tenha algum fundamento!... Fundamentada no quê?! Há! na minha vida... rsrsrs
Como a gente sabe, tudo segue um ciclo... a flor, a fruta, o ser humano... tudo precisa de um tempo pra se formar, nascer, crescer e morrer, certo!?
Pois bem... até onde eu sei, nós podemos perfeitamente nascer de 7 meses, não de 6 ou 8, mas de 7 sem problemas maiores... e baseado nisso, e nos ciclos que completo esse ano, nasceu minha teoria, que é a seguinte: - nós amadurecemos e passamos por grandes mudanças a cada 7 anos!
Como assim?! 
Bom... quando completamos 7 anos de idade, praticamos deixamos pra trás tudo que nos fazia "bebês"... deixamos as fraldas completamente, comemos sozinhos, formamos frases completas e fundamentadas, descobrimos que meninos e meninas são fisicamente diferentes... e consequentemente também deixamos pra trás o que passamos quando bebês, esquecemos as coisas que passaram.

Depois, dos 7 aos 14 anos passamos a nos importar mais com tudo o que acontece a nossa volta. Não entendemos direito a relação pessoa-pessoa, mas passamos a nos comportar melhor, aprendemos que tudo o que fazemos tem consequências - boas e ruins -, nos damos conta da nossa sexualidade mesmo sem compreender de fato as mudanças pelas quais passamos, vivemos nosso primeiro amor... e o que passou até os 7 anos a gente lembra, mas não sofre...

Dos 14 aos 21 nossa vida vira uma zona! total!! Não somos mais tão crianças nem somos tão adultos assim. Entramos na puberdade, e aí, o mundo cai na nossa cabeça... somos invadidos por contradições... os hormônios gritando do lado de dentro, os pais gritando do lado de fora... um exigindo liberdade, o outro responsabilidade... e nós, no meio, totalmente perdidos, feito cegos em tiroteio...

Dos 21 aos 28, se sobrevivemos ao ciclo anterior, então saímos vitoriosos e podemos "relaxar" um pouco. Já sabemos o que somos, descobrimos do que gostamos, sabemos o que não gostamos, e podemos ir em frente. Já compreendemos mais os nossos pais, já aceitamos que temos culpa no cartório e que colhemos o que plantamos. Já sofremos na pele os arrependimentos, mas somos fortes pra encarar o que vier.

Dos 28 aos 35 passamos a aproveitar mais os momentos que vivemos, aprendemos a dar mais valor às pessoas do que às coisas, aprendemos a falar NÃO com convicção, e temos mais coragem pra tomar atitudes difíceis, pra magoar as pessoas ao invés de concordar com elas nos magoando, pra aceitar a vida e a morte como elas são. Somos mais responsáveis - não com dinheiro, com carreira, com família (alguns são, outros não) -, mas por nós mesmos, pela nossa felicidade, pelos nossos planos, sonhos e desejos, por nossa vida... Descobrimos que somos realmente livres... e que liberdade é coisa muito séria!!

Dos 35 em diante... aí só Deus é que sabe!!! hahaha


Um comentário :

Thiago Augusto" disse...

Realmente.

E dê importância a esse tipo de reflexão. Grandes verdades surgem dessas coisas que as pessoas acham bobas ;D

Gostei do teu blog. Voltarei mais vezes.

PS: leia mais sobre o número sete. rs;