19 de agosto de 2011

Desperdiçando a Mega-Sena1

Sabe aquela história do cara que dá a maior sorte do mundo, ganha a mega-sena acumulada do ano todo, compra um ap gigante, o carro do ano, uma viagem pra disney pra família toda e pros amigos e quando acorda se dá conta que não tem dinheiro nem pra comprar pão? Daí devolve o ap e o carro, guardas as fotos que tirou e fica com aquela sensação - "caramba.. disperdicei o dinheiro todo e não tenho mais nada... como assim?!"...

Dizem que dinheiro na mão é vendaval, né... Mas e as oportunidades que temos todos os dias? e as chances que aparecem desde que a gente acorda? e as pessoas que ficam ao nosso lado? Não são dinheiro, mas valem mais que a mega-sena acumulada do ano todo, e tenho a impressão que a gente acaba desperdiçando mais do que se fosse de fato dinheiro, já que dinheiro acaba, e as oportunidades e chances, as opções, as pessoas, não.

Quantos dias lindos de sol e céu azul foram e são disperdiçados por preguiça ou mal-humor? Quantas oportunidades foram e são perdidas por orgulho ou desatenção? Quantas chances foram e vão pelo ralo por falta de coragem ou iniciativa? Quantas pessoas se foram e se vão por falta de cuidado e amor?

- Será que a gente sabe mesmo o valor que tudo isso tem? Será que a gente é capaz de medir e guardar cada um deles? Ou é tanta "poluição" visual, auditiva, sensorial, informativa, que a gente se perde e quando vê, já foi, já passou e a gente nem sabe como isso foi acontecer?

E que sensação estranha é essa, né? provoca tristeza, sofrimento, dor, arrependimento.. todo mundo sabe disso, quem já sentiu na pele e quem ainda vai sentir, e ainda assim a gente não controla, não "aprende", não "muda", não escapa, nem querendo muito... como que só pra provar que somos todos mortais, tolos e imperfeitos...


18 de agosto de 2011

Eu quero GRITARRRRRRRRRRRRRR


17 de agosto de 2011

...

"(...) Na maior parte dos encontros, 
orgulho ou cautela ainda proíbem alguém de dizer o que sente no mais fundo do íntimo.  
O ruído do mundo é feito de silêncios."

- Theodor Zeldin – historiador inglês


12 de agosto de 2011

"TANJOOBERRYMUTTS"


By the time you read through this you will understand "TANJOOBERRYMUTTS" and be ready for China.

The following is a telephonic exchange between maybe you as a hotel guest and room-service in China...

Room Service: "Morrin. Roon sirbees."
Guest: "Sorry, I thought I dialed room-service."
Room Service: " Rye, Roon sirbees...morrin! Joowish to oddor sunteen???"
Guest: "Uh..... Yes, I'd like to order bacon and eggs."
Room Service: "Ow ulai den?"
Guest: ".....What??"
Room Service: "Ow ulai den?!?... Pryed, boyud, pochd?"
Guest: "Oh, the eggs! How do I like them? Sorry.. Scrambled, please."
Room Service: "Ow ulai dee bayken ? Creepse?"
Guest: "Crisp will be fine."
Room Service: "Hokay. An sahn toes?"
Guest: "What?"
Room Service: "An toes. ulai sahn toes?"
Guest: "I.... Don't think so.."
RoomService: "No? Udo wan sahn toes???"
Guest: "I feel really bad about this, but I don't know what 'udo wan sahn toes' means."
RoomService: "Toes! Toes!...Why Uoo don wan toes? Ow bow Anglish moppin we botter?"
Guest: "Oh, English muffin! !! I've got it! You were saying 'toast'... Fine...Yes, an English muffin will be fine."
RoomService: "We botter?"
Guest: "No, just put the botter on the side."
RoomService: "Wad?!?"
Guest: "I mean butter... Just put the butter on the side."
RoomService: "Copy?"
Guest: "Excuse me?"
RoomService: "Copy...tea..meel?"
Guest: "Yes. Coffee, please... And that's everything."
RoomService: "One Minnie. Scramah egg, creepse bayken, Anglish moppin, we botter on sigh and copy ..... Rye ??"
Guest: "Whatever you say."
RoomService: "Tanjooberrymutts."
Guest: "You're welcome"

Remember I said "By the time you read through this YOU WILL UNDERSTAND 'TANJOOBERRYMUTTS' ... and you do, don't you?


11 de agosto de 2011

A Fábula do Porco-espinho

"Não sei se a vida é curta ou longa demais. 
Mas sei que nada do que vivemos tem sentido se não tocarmos no coração das pessoas."


Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio.
Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor.
Por isso decidiram se afastar uns dos outros e começaram de novo a morrer congelados.
Então precisaram fazer uma escolha: ou desapareciam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros.
Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos.
Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro.
E assim sobreviveram.

Moral da História:
O melhor relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades.


10 de agosto de 2011

Tomara!


"(...) 
Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo. 
Que a gente reconheça o poder do outro sem esquecer do nosso.
Que as mentiras alheias não confundam as nossas verdades, mesmo que as mentiras e as verdades sejam impermanentes.
Que friagem nenhuma seja capaz de encabular o nosso calor mais bonito. 
Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a idéia da alegria.
Tomara que apesar dos pesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz.
Tomara!!"

- Caio Fernando Abreu


9 de agosto de 2011

ToscoHits 80's

Oooooh Yeah
- Yello

Mas que ficou show no comercial do guaraná!!
Oooooh Yeah


8 de agosto de 2011

Sentimentos

Outro dia eu tava relendo os posts mais antigos do blog, e acabei achando esse aqui. Eram só pensamentos soltos sem muita pretensão... Coincidência ou não, me peguei pensando neste mesmo assunto um dia desses, e então resolvi reescrever o post antigo...

Talvez, mais importante que tudo o que fazemos, pensamos, vivenciamos, experimentamos, aprendemos, é o que sentimos... Nossos sentimentos provavelmente são nossos bens mais caros, mesmo quando não podemos explicar, ou não conseguimos entender... 
E o que sentimos também acaba por nos definir. Se agimos dessa ou daquela maneira, com certeza, ou é porque, de alguma forma, já sentimos isso ou aquilo, ou é justamente porque não queremos sentir isso ou aquilo...

Isso fica ainda mais evidente quando nos apaixonamos, quando amamos, quando dividimos nossa vida com quem amamos. É quando mais nos damos conta de que esse medo é, quase sempre, bem maior do que o que sentimos ou queremos (ou não) sentir de verdade, e acabamos reféns dos nossos próprios sentimentos.

Muitos optam mesmo por não sentir. Preferem se guardar, e assim evitar qualquer dano maior que possam vir a sofrer. Os que conseguem se libertar,acabm encontrando um caminho pra felicidade, uma chance pra si próprio, mas os que não conseguem, passam a vida atrás de máscaras, guardados dentro de si mesmo, vivendo num mundo onde mais ninguém consegue entrar...

O que fazer? Como enfrentar? Onde encontrar força e coragem? Tbm não sei.. vivemos num mundo tão cheio de preconceitos, tão abarrotado de rótulos, de meias-verdades, de faltas, que fica mesmo difícil saber onde pisar, com quem falar, como ser o que se é de verdade... e poder ser feliz assim...

E isso é triste... todos nós merecemos ser feliz!!...


5 de agosto de 2011

Cueca Day

Abri o site MSN Brasil pra entrar no meu email, e a notícia tava na primeira página...


Por FAMOSIDADES
SÃO PAULO - Já que os homens puderam se divertir com a galeria Dia da Lingerie, eis que o Famosidades decidiu homenagear também o "Cueca Day", que ficou nos Trending Topics brasileiro na tarde desta quinta-feira (4).
Isso mesmo, mulheres, podem se deliciar com as fotos mais do que sensuais dos atores, jogadores de futebol, ex-BBBs, modelos, em geral bonitões, e - só de cueca.


3 de agosto de 2011

Apaixona-se


2 de agosto de 2011

...

Perdoar os outros, em alguns casos, 
pode ser difícil, mas se consegue...
 
O duro é perdoar a si mesmo,
aceitando os limites e as imperfeições, 

os erros e fracassos da própria vida...

E ser feliz apesar de tudo...